Postagens

Mostrando postagens de Março, 2010

7 things I hate about you

I hate the way of your eyes I hate the way that you ignore me
And how badly you do it
I hate the way of your silent I hate your photo on my orkut And how good I feel when I see it
And the seventh thing I hate the most that you do
You make me love you
 "But mostly I hate the way I don't hate you. Not even close, not even a little bit, not even at all."


Lívia Otero (26/3/10) (adaptado e baseado em "10 things I hate about you" e "7 things I hate about you")

Eu... Te amo?

Não digo eu te amo
Não sem ser real
Não ser de coração
Não sem ser espontâneo

Se a pessoa não quer ouvir
Respeito e o guardo pra mim
Se a pessoa quer ouvir
Respeito à mim

Eu te amo tem que ser sincero
Não reciprocidade falsa
Eu te amo tem que fluir
Não ser obrigação

Diga pra mim
Diga pra ele
Diga pra ela

Mas por favor, seja verdade
Será maior a decepção
Se o "eu te amo"
Não for... De coração



Lívia Otero (25/03/10)

Te espero pra sempre

E pra falar que não falo de ti
Que andas por ai e nunca encontrei
Que entoa os 7 cantos que nunca ouvi
Que brilha nas esquinas que nunca passei

Falar de sentimentos que embora vivídos
Se renovam no claro sorriso em teu rosto
E assim meio a surgir na pureza do oposto
Sóis e mais girassóis por amores movídos

Agora mais que nunca quero ouvir seu canto
Agora mais que nunca cruzar seu caminho
No claro amanhecer que faz secar o pranto
Do rosto agora seu que espera com carinho


Ana Carolinna (a muito tempo)

Enlace fraternal

Amigo promete ser fiel Seja na saúde ou na doença Amigo promete amar Seja pobre ou rico
Amigo não se importa se não és bonito Beleza não é caráter Amigo não liga se  não sabes cozinhar Pizza do dia anterior é uma delícia
Amigo não liga de segurar vela Nem reclama se você chegar de pileque de madrugada E nas festividades sua presença é a mais importante, sempre
Amigo faz juras de amor que não podem ser traídas Te ama, respeita, cuida e protege Ontem, hoje, amanhã, até que a morte os separe

Eu, Lívia, prometo te amar e respeitar na saúde e na doença, na alegria e na tristeza, até que a morte nos separe...


Lívia Otero (19/3/10)

Teu amor

Preciso de ti
Te quero
Penso em ti
Te quero

Vai me consumindo a alma
E o corpo padece imaginando
Cansada, exausta
Mente à mil, pensamentos bagunçados

Como pode? Como pôde?
Eu sei, não é culpa sua
Mas também não é minha
Coração bobo, ama sem pensar
Racional louco, pensa sem amar



Lívia Otero (16/3/10)

Dedos da face

Minhas mãos gotejam sentimentos Meu rosto exala sensações Corro em direção ao nada
Atravesso paredes vazias
Anseio o desejo inalcansável Me deleito com os prazeres não mundanos Me satisfaço com as vontades que não posso ter Sinto aquilo que nunca toquei
As palavras pulam dos neurônios Chegam mais rápido que minha consciência Depois disso não quero evitar Pensamentos expostos não quistos
Perdi sem nunca ter Queria sem poder Terei sem poder querer


Lívia Otero (14/2/10)

Não vá

Você, apenas você Não me abandone Volte pra mim
"A vida é bela" Me diz-ses "Apenas por você fazer parte dela" Retruco
"Veja o mundo lá fora" Insistes Não me importo com o fora O que quero está aqui dentro
Eu tento, juro que tento Mas ta difícil te deixar ir Entraste para não mais sair


Lívia Otero (10/3/10)

Coração de papel

Bate, dói, bate Caminho sofrido para este Que jaz aqui em meu peito
Tem corretivo? Caneta e coração de papel Combinação fatal
Aceito também uma tesoura Ou estilete talvez?
Outra fissura, outra marca Outra cicatriz e nada mais


Lívia Otero (10/3/10)

Não à tudo

Não sinto cheiro
Não vejo a cor
Nego até o amor

Meu rosto frio e úmido me lembra
Minhas mãos transferem ao papel

Como te queria como antes
Como não te tive antes?

O negro céu me explica
As nuvens passam, mas a paixão fica



Lívia Otero (8/3/10)

Que mulher?

'QUE MULHER NUNCA TEVE...
Um sutiã meio furado,
Um primo meio tarado,
Ou um amigo meio viado?

QUE MULHER NUNCA TOMOU...
Um fora de querer sumir
Um porre de cair
Ou um comprimido para dormir?

QUE MULHER NUNCA SONHOU
Com a sogra morta, estendida,
Em ser muito feliz na vida
Ou com uma lipo na barriga?

QUE MULHER NUNCA PENSOU
Em dar fim numa panela,
Jogar os filhos pela janela
Ou que a culpa era toda dela?

QUE MULHER NUNCA PENOU
Para ter a perna depilada,
Para aturar uma empregada
Ou para trabalhar menstruada?

QUE MULHER NUNCA COMEU
Uma caixa de Bis, por ansiedade,
Uma alface, no almoço, por vaidade
Ou, um canalha por saudade?

QUE MULHER NUNCA APERTOU
O pé no sapato para caber,
A barriga para emagrecer
Ou um ursinho para não enlouquecer?

QUE MULHER NUNCA JUROU
Que não estava ao telefone,
Que não pensa em silicone
Que "dele" não lembra nem o nome?'

Feliz dia da mulher para todas nós, apesar de que, não precisamos de um dia pra nos setirmos especiais. Beijos à todas.
Lívia O…

Ansiedade

Como uma pena que é levada pelo vento Como a areia que escorre ladeira abaixo com a chuva E por que não, como um viciado que espera a visita de seu traficante

Lívia Otero (1/3/10)

7 cores

Brilha, reluz, cintila Aos meus olhos me diz: "Venha, chegue perto"
Não toco, ele corre Me deseja, eu sei Eu também, ele sabe
Porque chamas se és intocável? Nenhum ser humano se quer chegou perto
Um dia irei atrás de ti Não pelo pote de ouro Minha recompensa será maior Maior do que até eu mesma imagino


Lívia Otero (6/3/10)

Meu vício perfeito

Passo as noites a sonhar com ti Porque fostes? Se me queria, porque me deixaste?
Da abstinência, a pior parte Não ter a dose diária dói 3 dias após Preciso de um novo vício
Não morro, mas adoeço Coração mole é terminal Afinal, eu sou paciente terminal Sem você morro um pouquinho a cada dia
Não vicie se não fornecerá Mas quem me viciou? Eu quis e vc permitiu

Lívia Otero (6/3/10)

Droga feita à mão

Felicidade, êxtase, animação Não tem sensação melhor Se sentir alguém especial Fazer alguém especial
Parece aldo feito à mão Quase chega a perfeição Para os outros nada mais ou além do comum Para nós, feito sob medida Medida para uso, consumo, desejo

Perigo é perfeito para definir
Melhor ainda quando é proibido
Fica irresistível quando é desconhecido

Cheiro, ouço, leio?
Não, nem se quer vejo mais
Minha bela e deliciosa tentação


Lívia Otero (6/3/10)

Gotas da alma

Ela se esvai pelos meus dedos
Como o tempo que nunca tive ao seu lado
Como a saudade daquilo que não vivi
Sem ao menos saber distinguir o certo do errado

Queria sentir, tocar, cheirar, amar... Beijar?
Sim, isso também, assim como abraçar
Poder ter, poder sentir, cheiras e amar
A alma d'alguma que nunca vi

Faz falta saber que não a tenho
Faz doer aquilo que não sinto
Dói saber que não tenho
Sinto doer pela falta que me faz

Ter e estar são coisas relativas
Assim como poder e querer
Queria poder ter aqui


Lívia Otero  (11/2/10)

Quero te salvar

O que ha com a dor pra ter se instalado em tal ser?
Castigo, sina ou apenas punição egocêntrica?
Prefiro não revelar que o martírio é afrodisíaco
Tesão, desejo, vontade de comer, de fuder
Paixão, desejo, vontade de beijar, de amar
Se completam por assim dizer
Os dias são mais longos, as noites mais curtas
Mas o tempo continua a se arrastar.




Lívia Otero (1/3/10)

Musa Intocável

Te hálito humido
Pele de bebê
Que cheiro, que sabor

Me é familiar
Mas apenas ao olhar

Anseio, desejo, necessito
Aquilo que ainda não alcanço

Que falta faz amor
Me entrego em teus braços
De alma, corpo e coração


Lívia Otero (1/3/10)

Sente agora?

Eu nunca escondi minha sinceridade Nem se quer maquiei a verdade Nunca me protegi Nem me preocupei com meus atos e palavras Mentiras sincera? Prefiro verdades falsificadas Mostram real sentimento A noite sinto a falta A ausência Devo tentar arrumar erros alheios? Não quero sofrer por terceiros Mas não quero segundos sofridos Por inteira Pela metade Repartida Apenas Te quero
Estou aprendendo a escrever de uma maneira diferente do que normalmente faço e com esse post atualizo e inauguro novamente meu blog.
Lívia Otero (2/3/10)